29% dos alunos de Segunda Série não sabemo que lêem

São Paulo está ficando sem cultura!!!

Prova aplicada em novembro mostra que 29% deles não cnseguem responder as questões de Potuguês e Matemática. Quase um terço dos alunos (29%) da 2ª série da Prefeitura de SP não sabem o que lêem.
Fonte: Folha Online

Hoje na Folha Reportagem deste sábado na Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL) mostra que 29% dos alunos na segunda série do ensino fundamental da rede pública municipal de São Paulo têm nível crítico de aprendizado. Outros 14,6% são considerados “não-alfabéticos”, ou seja, ainda não têm idéia de como funciona a língua portuguesa.

Os estudantes não conseguiram responder questões de língua portuguesa e matemática em uma prova aplicada nas escolas em novembro. De acordo com a reportagem, ao ler um documento, os alunos não conseguem identificar, por exemplo, que se trata de uma conta de água. Os alunos também têm dificuldades para entender o contexto de uma história em quadrinhos.

Em São Paulo, os alunos da segunda série não são reprovados por conta da progressão continuada. Eles só podem ser retidos a partir da quarta série, mostra reportagem.

Segundo a Folha, os resultados da Prova São Paulo também mostram que o desempenho boa parte dos alunos da quarta série (26,9%) está muito abaixo do esperado para seu nível de ensino.

Os alunos da 8ª série foram um pouco melhor na prova, segundo a reportagem. Em comparação com o exame aplicado em 2005, os estudantes que moram em São Paulo conseguiram notas melhores (226,5 pontos para 241). A média nacional é 221,87.

E ainda tem gente que nem tem idade que quer ficar criando msn e orkut…

Citroen é lacrada pela Prefeitura por falta de alvará de funcionamento

071204_f_016.jpg

Uma equipe da Subprefeitura de Pinheiros bloqueou na manhã desta terça-feira, com blocos de concreto, as entradas da loja da Citroën localizada na avenida Europa (zona oeste de São Paulo) por falta de alvará de funcionamento. O endereço é um dos mais caros da cidade.

Desde 2006, segundo a subprefeitura, a loja acumulou quatro multas por falta de alvará –a última aplicada hoje. O valor total foi de mais de R$ 23 mil.

De acordo com a subprefeitura, a loja deve ser lacrada porque a decisão da Justiça que a mantinha aberta desde março passado –quando ela foi lacrada pela primeira vez– estava baseada em um processo de anistia que corria na prefeitura.

O processo foi recusado em setembro de 2006, mas ainda havia chances de reclamação. O prazo para isso, agora, terminou.

A reportagem da Folha Online entrou em contato com o departamento de marketing da empresa por e-mail e por telefone, mas ainda não obteve resposta.